<$BlogRSDUrl$>

25.3.04

Alexander Zemlinsky no Teatro Nacional de S. Carlos 

Bom, ninguém me pediu para fazer esta crónica mas achei interessante dizer duas palavras acerca dos autores e das obras que vão ser apresentados no TNSC, na próxima semana, segunda feira estreia a Tragédia Florentina de Zemlinsky.

Alexander Zemlinsky é um compositor de transição entre a Viena do fim do século XIX e o princípio do XX. Johannes Brahms tinha notado as capacidades deste compositor ainda muito jovem. Foi director do Volksoper de Viena. Veio a fazer amizade com Mahler que foi sempre um mecenas de Z. quer ao nível artístico quer económico.

Depois dirigiu os teatros de Praga e Berlim para regressar a Viena antes de fugir para os EUA. Foi um grande divulgador e defensor da música de Shoenberg, Webern e Berg mesmo sem partilhar com estes os mesmo ideais radicais.

A actividade de compositor de Z. é extremamente influenciada por Mahler e pelo clima cultural da Viena do início do século XX. Ao mesmo tempo está muito próximo da música juvenil de A. Shoenberg.

Escreveu música sinfónica sendo a Lyrische Symphonie a sua obra mais apreciada, merecendo ser citada na obra prima Lyrische Suite de Alban Berg; na música de câmara posso salientar os quartetos de cordas que são extremamente interessantes.

Eine florentinische Tragodie é a quinta ópera de Z. e é quase inevitável a referência para a Salomé de Richard Strauss quer pelo factor comum de Oscar Wilde, que foi a referência dos dois libretos, seja pela ênfase que acompanha a figura da amante e a maneira de salientar esta faceta na escrita musical.

Todavia o ambiente visionário e febril desenvolve-se através de momentos polifónicos e orquestrais de ascendência totalmente ligadas à experiência de Mahler, com uma capacidade melódica (que Alban Berg amava muito) onde as fórmulas tonais perdem o antigo significado mas não chegam a ser manipuladas e desmembradas como nos compositores seus comtemporâneos.

Shoenberg também gostava de Zemlinsky e tinha em elevadíssima consideração a "Tragedia Florentina". Shoenberg que, entretanto, tinha casado com a irmã de Z. Mathilde.

Aqui então temos um autor de conjunção das escolas romântica e pós-romântica (Brahms, Strauss) e da segunda escola de Viena (Shoenberg, Berg) tendo sempre como ponto central a grande tradição mitteleuropeia e bidermeier da qual Viena é única e insuperável testemunha.

Amanhã Rachmaninov

M.P

Nota de H.S. – Shoenberg tornou-se, ainda muito jovem, amigo de Z., ambos na casa dos vinte anos, este, muito melhor preparado musicalmente, deu lições de contraponto a Shoenberg. A ópera "Uma Tragédia Florentina" data de 1911. A estreia mundial da peça de Wilde deu-se curiosamente na Alemanha e numa tradução em alemão em 1906 (se não me engano na data).
Nascido: 14 de Outubro de 1871, Viena (Áustria)
Falecido: 15 Março de 1942, Larchmont, NY (EUA)

Arquivos

This page is powered by Blogger. Isn't yours?