<$BlogRSDUrl$>

2.1.04

A ignorância 

Mais um post de Liberdade de Expressão em que se esperava que se rebatesse a nossa afirmação de que a economia como ciência deve servir para prever. Pelo contrário preocupa-se com a meteorologia, usada por nós apenas como exemplo de um sistema complexo e previsível. Duvidando L-d-E que o sistema meteorológico é mais complexo que a economia consegue-se preceber que o autor ainda está na idade da pedra da ciência e poucos conhecimentos tem, a arrogância da ignorância é realmente insondável.
É evidente que o sistema económico depende de muitos factores, mas só depende da meteorologia pelas causas que esta produz, que são completamente modeláveis, consideradas de forma estatística e não em termos do número de moléculas presentes no sistema atmosférico, nos oceanos, nas calotes polares, na terra e que constituem o sistema complexo da meteorologia. Não se está a falar de alguns milhões de agentes económicos, produtores e consumidores que tentam produzir com o máximo de lucro e um mínimo de custos. O problema é o modelo, enquanto a Matemática ajudou a Física a encontrar as equações de Navier Stokes, que nos dão um modelo muito aceitável para a atmosfera, os economistas nestes anos todas andam a discutir se o estado deve ou não intervir na economia com argumentos aristotélicos e do senso comum, como tão bem L-d-E sabe fazer.
Para se perceber a falácia das argumentações de L-d-E acrescentamos que o sistema económico também actua sobre o sistema meteorológico e que, mesmo assim, este continua a ser previsto de forma muito acertada, no curto prazo. O estudo do clima também está a avançar nas previsões de longo prazo. Sabe-se o que vai acontecer se o sistema económico continuar a destuir o ambiente como tem sido feito, procurando os empresários apenas maximizar lucros. Claro que o argumento de L-d-E será: se o ambiente for muito destruído os lucros começam a diminuir e os empresários mudam de estratégia! Os governos não devem intervir, a terra sofre um bocadito, mas depois volta tudo ao normal, isto se a economia liberal funcionar na perfeição! Começa tudo a ser amigo do ambiente... Nem vale a pena discutir a imbecilidade de um "argumento" liberal típico como o anterior. É claro que o processo é irreversível, um matemático percebe, um físico percebe, qualquer pessoa que nos lê percebe a menos que seja liberal.
Voltemos à bolsa, L-d-E não sabe se os autores deste blogue ganham ou não dinheiro na bolsa, nem vai ser informado desse assunto que não lhe diz respeito, no entanto afirma alegremente Quem fala assim não devia escrever Blogs. Devia jogar na bolsa a tempo inteiro. Devemos informar L-d-E, talvez não saiba, que o BNP Paribas, banco que conhecemos bem, tem um sistema de investimento automático programado em computador, da autoria de um grande amigo nosso, doutorado em física, que, sem intervenção humana, e a título experimental, permitiu obter lucros de muitos milhares de milhões de euros nos mercados asiáticos no ano passado (2003). Porquê mercados asiáticos? Porque eram mais voláteis, porque trabalham as horas em que os serviços do BNP, situados em Paris, não tinham as salas de mercados tão activas, porque menos predictáveis; ou seja: o modelo teria de passar por uma prova de fogo e passou! A início foram feitos testes com investimentos fictícios e parecia que resultava, depois começaram-se a investir quantias experimentais, resultava, quando se aumentou o volume máximo diário de compras o modelo comportou-se de forma notável. Não foi publicado qualquer estudo sobre mecanismo do modelo, como é evidente. Aliás, os estudos matemáticos nesta área têm vindo a público sempre com consideráveis atrasos sobre a sua concepção, isso é patente também na área da criptografia, o que se compreende. Os modelos funcionam. Claro que a bolsa não é exemplo do sistema económico global, é uma parte turbulenta dentro de um sistema maior. Um físico perceberia que a parte pode ser mais complexa que o todo, que as médias não são muito sensíveis a flutuações locais, mesmo que extremas. Claro que estas oscilações locais influenciam o todo, mas o modelo económico de longo prazo integra (em termos matemáticos) os seus efeitos. Logo citar a bolsa para tentar rebater o que afirmámos é mais uma prova de ignorância e falácia aristotélica.
Há previsões em economia, se os bancos centrais emitirem papel moeda gera-se inflacção, um exemplo muito concreto, querem mais? Não há melhores previsões porque existem economistas que negam o papel da matemática e da ciência. E não só se negam a trabalhar nesse campo, como dinamitam o trabalho dos outros, por motivos ideológicos. O que é certo é que nunca haverá certezas, mas a ciência nunca deu certezas, nem isso lhe é pedido.
Outra pérola: Se a capacidade de previsão aumenta o sistema não se modifica, mais um disparate crasso do autor de L-d-E que entra em contradição consigo próprio, se o sistema económico está ligado por acoplamento ao meteorológico, ao aumentar a previsão do sistema meteorológico vai-se perceber que caminhamos para o aquecimento global, logo o sistema económico adapta-se tentando corrigir esse efeito, o sistema meteorológico é influenciado. Se quisessemos levar o raciocínio ao extremo e aproveitássemos a ideia do acoplamento de L-d-E, como este próprio o faz, diríamos que ao prever o sistema meteorológico estaríamos também a prever o sistema económico e que actuando sobre a economia se poderia controlar o clima. Acaba por ser verdade, mas pelas razões mais penosas, se deixarmos o sistema livre, sem intervenção dos estados, entramos num processo irreversível de destruição global, para onde nos leva, de forma inconsciente, a teoria liberal.

Arquivos

This page is powered by Blogger. Isn't yours?