<$BlogRSDUrl$>

8.10.03

Crítica de música do Público 

Transcrevo parte do texto de Cristina Fernandes do Público, excelente crítica, diz tudo sobre o concerto no Palácio de Mafra, no último domingo:


2. A tarde de domingo foi dominada pela música no feminino: obras de compositoras italianas do século XVII (Isabella Leonarda, Francesca Caccini e Barbara Strozzi) interpretadas por um novo agrupamento (Udite Amanti) unicamente constituído por mulheres, sob a direcção da cravista Ana Mafalda Castro. A ideia não é nova, mas nunca teria sido desenvolvida em Portugal. Não se trata de nenhum manifesto feminista, mas de dar a conhecer música de qualidade que só há pouco começou a sair dos "baús da história" e que revela uma sensibilidade muito própria. Ao contrário do que acontece em épocas mais recentes, a música destas compositoras é algo diversa da que foi escrita pelos homens seus contemporâneos: são frequentes os rasgos inesperados, parece estar mais liberta de condicionalismos académicos, é muitas vezes percorrida por um erotismo latente (ainda que sob o pretexto de um Motete dedicado a Cristo, como na peça de Leonarda).

Quanto às intérpretes, na sua maioria ainda bastante jovens, combinaram a correcção estilística e o conhecimento das práticas de execução da música barroca com uma visão pessoal das obras. Com timbres e personalidades bastante distintas, Orlanda Isidro e Magna Ferreira alternaram entre si as páginas vocais, unindo-se numa bem sucedida combinação final ("Mercé di voi...", de Strozzi).

A voz de soprano ligeiro de Orlanda Isidro destacou-se pela segurança técnica e por uma sensibilidade musical subtil e delicada, enquanto Magna Ferreira, detentora de um timbre mais cálido e denso, marcou pela entrega emocional e pelo ímpeto da carga dramática.

A proficiência e imaginação de Ana Mafalda Castro como executante de baixo contínuo é já sobejamente conhecida e as restantes instrumentistas (as violinistas Tera Shimizu e Iskrena Yordanova e a violoncelista e gambista Sofia Diniz) mostraram um trabalho muito consistente, particularmente meritório se pensarmos que se trata de um grupo que dá os seus primeiros passos. A sonoridade de conjunto poderá vir ainda a ser mais apurada, assim como os detalhes, mas parece óbvio que se trata de um projecto com futuro. Aguardam-se novos programas e, quem sabe, uma futura gravação!


CM

Arquivos

This page is powered by Blogger. Isn't yours?