<$BlogRSDUrl$>

26.7.03

A propósito da Paixão 

Um Velázquez

Ouvir música em cima, do lado direito, por baixo do Cristo de Velázquez.

Um Cristo de corpo apolíneo, de cabeça pendente e de face oculta, recorta-se no fundo escuro da morte e no limite da visão. O corpo e os membros, suavemente modelados, sem as sombras dramáticas de Caravaggio, recebem uma luz diáfana, proveniente do ângulo superior esquerdo, que se intensifica apenas no branco sensual do perizonium. A cabeça pendente coroada de espinhos, as gotas de sangue junto à face oculta, sinais de mistério e de uma morte dolorosa, compensam o sentido de pacificação, a visão não atormentada e dulcificada que resulta do corpo não suspenso e apenas adossado ao madeiro. Ao perto, a busca dos efeitos secretos, os movimentos largos e impacientes do pincel na modelação magistral de uma cabeça pendente.
Miguel de Unamuno escreveu, a propósito, o El Cristo de Velázquez, e a relação com o convento das beneditinas de San Plácido, em Madrid, deu origem à história do envolvimento de Filipe IV com uma religiosa. Diz a lenda que Filipe a teria mandado pintar como forma de expiação desse enamoramento sacrilégio. As inúmeras e sistemáticas cópias dão-lhe também o lugar de obra-prima. Uma delas, anónima e discreta, suspende-se numa parede das dependências da Igreja de S. Pedro de Miragaia.
CP

Um Buxtehude, o mesmo do texto: "Seiscentos Quilómetros a Pé e uma Filha Feia."
Vale a pena esperar que carregue, lentamente, a partir do mau serviço do sapo.

CM

Arquivos

This page is powered by Blogger. Isn't yours?