<$BlogRSDUrl$>

2.6.03

Ouçamos Jordi Savall, o seu novo disco é perfeitamente sublime. O Parnasus da viola da gamba, Marin Marais, Saint Colombe le Fils. Três CD's incontornáveis. Liberdade absoluta, improvisação espantosa. Respeito total pela música. Parece que voltamos atrás 350 anos. Arcada perfeita, respiração transcendente. Não, não falo do fraseado, o fraseado não existe, como hoje o entendemos, existe sim articulação. O retorno à batida do compasso é sempre exacto, mas a sensibilidade, a elegância, a inteligência estão exactamente nos pontos certos. A música francesa desta época exige uma elegância e um respirar que nos deixa sem inspiração para dizer mais, não tenho palavras para este deslumbramento.
Espero agora por Coupérin e as suas peças de viola.


Arquivos

This page is powered by Blogger. Isn't yours?